TEMA DO ENCONTRO: Minha Relação com Deus  

Posted by: Frei Sávio

ENVIADO POR: Ana Paula Cardoso Rosa Silveira
PARÓQUIA: São José Operário – Tubarão / SC

HISTÓRIA: Sou catequista a 6 anos e adoro o que faço. Dou encontros de catequese de Crisma, tanto até que o encontro que vou apresentar é um pouco mais aprofundado . Falar de Deus para mim é maravilhoso , poder ensinar a outras pessoas o pouquinho que eu sei sobre este nosso Pai Celeste é algo que só quem é catequista pode dizer. Catequizar para mim é algo divino, sinto a presença de Deus muito perto de mim em alguns momentos.

OBJETIVO: Fazer a criança tomar consciência do quanto Deus esta presente em seu Dia a Dia, inclusive nas coisas mais simples e que elas consigam descobrir importância de Deus em sua vida.

ORAÇÃO INICIAL: As crianças devem ser levadas à igreja, onde eles sabem que é a casa do Senhor. O catequista coloca um fundo musical apropriado se ajoelha de frente ao sacrário, chamando um a um os catequizandos. O catequista deve incentivar cada catequizando a fazer sua oração pessoal a Deus ali ajoelhado ao Sacrário. Após todos os catequizandos terem feito sua oração eles estão em forma de circulo ao redor do sacrário e de mãos dadas o catequista pede a todos para rezarem um Pai Nosso e um Santo Anjo. Após a oração as crianças devem se dirigir à sala da catequese em silêncio, o catequista deve incentivar os catequizandos a irem meditando sobre a conversa que acabaram de ter com Deus.

VER: Para conseguir ter uma relação íntima com Deus, o principal é ter plena confiança Nele, e esta confiança não será alcançada se não estiver fundada no amor de um Deus bondoso e misericordioso. Ouçamos a esta simples história:

A história de Terezinha

Nasci no ceio de uma família católica, que para mim é uma grande alegria, mas, felizmente, não considerei que fosse suficiente ir às missas e a catequese e conhecer a verdade Bíblica, precisava de mais, de um verdadeiro encontro que me enchesse de uma alegria inexplicável, como aquele encontro que falavam e que não tinha explicação à alegria que sentiam!...

A minha família, em conjunto com o grupo de catequese que formaram uma escola dominical, ensinaram-me e acompanharam-me na aprendizagem de histórias bíblicas, que Domingo após Domingo aprendia uma nova lição a tirar para cada um de nós que ouvíamos. Estas histórias bíblicas foram fundamentais para o meu crescimento em Jesus Cristo. Assim, tive a graça de crescer fisicamente num lar de paz e criando simultaneamente os meus fundamentos cristãos. Mas, infelizmente na minha adolescência também tive um adormecimento na busca da salvação para a minha alma. Desanimando na dedicação à minha relação com Deus!

Estava muito feliz com tudo o que o Senhor me abençoava, com os meus pais maravilhosos, com os dedicados professores da Escola Dominical, que tive desde pequenina, enfim estava mesmo muito feliz. Essa grande felicidade que sentia no meu coração era completada pela presença maravilhosa de Deus que sentia principalmente quando foi a uma missa da renovação carismática, apesar de pequena, fiquei tão impressionada e tocada pela grande união que sentia entre todos os que estavam em oração que também me pus a orar e rezar, foi a missa que mais me tocou… Encheu-me o coração de alegria e isto se transmitia em meu rosto, aonde quer que estivesse apesar de não me aperceber!

Um dia, na escola uma moça que nem me falava perguntou-me porque estava sempre a sorrir, porque andava sempre tão feliz, não lhe respondi… porque nunca me tinha apercebido que a minha alegria transbordava cá para fora, e fiquei surpresa com tal pergunta, e então comecei a observar-me e percebi que realmente dava por mim a rir, e também lembrei-me que as pessoas que me observassem não viam nada que motivasse o sorriso, e procurei trabalhar um semblante semelhante aos dos outros de toda a minha escola.

Ignorando o que motivava a minha alegria, o que me tornava diferente de todos os outros, e assim a minha relação com Deus foi esfriando, pois estava demasiado preocupada com o que os outros iam pensar de mim, infelizmente!...

Na altura não me tinha apercebido é que os jovens da minha escola vinham falar e conversar comigo sobre coisas que não falavam com os seus melhores amigos, pessoas de todos os anos da escola lembravam-se de desabafar com a rapariga do sexto ano que estava sempre feliz e que nunca se queixava de nada, todas as pessoas que vinham conversar comigo, não vinham só conversar, mas vinham, sim, em busca do que me fazia feliz… Na altura, não me apercebi disso e tinha medo de falar de Jesus, a não ser que me perguntassem diretamente.

Mas, uma vez, no meio de uma grande aflição… Quando procurava o porquê das coisas que me aconteciam, apercebi-me que já não lia a bíblia todos os dias, já não tinha vontade de ir à Escola Dominical, apesar de ainda reter as mensagens tiradas de cada lição. A minha fé em Deus já não era a mesma, a minha relação tinha esfriado por que… tinha “esquecido” de me relacionar e dedicar a esta verdadeira amizade!

Após chegar a esta conclusão e, de mais uma vez ouvir o gozo atemorizador de satanás, o que me deixava muito medrosa e assustada porque nunca tinha ouvido nada assim tão assustador, disse para comigo que o Senhor que sempre esteve a acompanhar-me se de coração me humilhasse Deus iria dar vitória, e como diz em “II Crônicas 7:14,15” « E se o meu povo, que se chama pelo meu nome, se humilhar, e orar, e buscar a minha face e se converter dos seus maus caminhos, então eu ouvirei dos céus, e perdoarei aos seus pecados, e sararei a sua terra. Agora, estarão abertos os meus olhos e atentos os meus ouvidos à oração deste lugar. », então, prostrei-me de joelhos à beira da minha cama, com grande fé e humilde orei ao Senhor, pedi perdão de todo o meu desmazelo, e no meio de minha oração sincera com lágrimas e de coração aberto ao Senhor Jesus, o meu coração encheu-se de uma alegria indescritível, nunca me tinha sentido tão feliz, e essa alegria que me encheu por completo o coração fez com que não dissesse outra coisa a não ser “Obrigada Senhor Jesus, obrigada” vezes sem conta. Nessa noite o Senhor não só me libertou da opressão do inimigo, que até hoje nunca mais ouvi tais vozes, como me salvou também, e veio habitar em meu coração! Ao voltar a deitar-me, sentia uma leveza e uma paz tão grande, o meu interior estava completamente diferente, nessa mesma noite senti algo maravilhoso, senti que o Senhor enviou o Seu anjo a guardar-me, mas na manhã seguinte achei que já era um pouco surrealista demais, o que o venho a confirmar ser realidade na Escola Dominical seguinte, quando a professora leu o salmo 34:7 no meio da lição «o anjo do Senhor acampasse ao redor dos que o temem e os livra. » foi quando associei ao que sentira e aí então percebi que o Senhor tem todo o poder sobre todas as coisas e que não foi um sonho o que sentira!... Como Deus é misericordioso, eu que me tinha esquecido deste verdadeiro amigo, que lhe tinha virado as costas, ao pedir-lhe ele não só ouviu a minha oração, livrou-me e salvou-me, limpando o meu coração!
Ao acordar, na manhã seguinte a primeira coisa que fiz foi dar um alegre “Bom dia” ao Deus maravilhoso que me ajudou, e agradecer-lhe por tudo quanto tem feito por mim!... Como é maravilhoso termos um verdadeiro amigo sempre pronto a estender-nos a sua mão para nos ajudar! ?

Este Deus que nos guarda, dia após dia, merece que procuremos dedicar-lhe todos os dias da nossa vida, pôr em prática o objetivo da nossa vida, que é transmitir a cada pessoa, ao coração dos aflitos que Deus nos ama. Pois o amor de Deus que nos guarda, ensina, molda todo o nosso viver a cada dia, merece todo o nosso viver.

Após ler a história a catequista deve debater com os catequizandos sobre a história acima e depois o catequista, pede que cada um escreva em um papel: Como nasceu e como está sua relação com Deus.

Bibliografia: http://www.cancaonova.com/portal/canais/formacao/internas.php?e=6042
http://www.maltacrista.com/ficheiros/nivel3/zsana.htm

Após Todos Terem feitos suas redações o catequista coloca a musica – Sonda-me para as crianças ouvirem:

Sonda-me
Padre Marcelo Rossi
Composição: Alisson Ambrósio
Senhor,
Eu sei que tu me sondas
Sei que também me conheces
Se me assento ou me levanto
Conheces meus pensamentos
Quer deitado ou quer andando
Sabes todos os meus passos
E antes que haja em mim palavras
Sei que tudo me conheces

Senhor eu sei que tu me sondas (4 vezes) Refrão

Deus, tu me cercastes em volta
Tuas mãos em mim repousam
Tal ciência, é grandiosa
Não alcanço de tão alta
Se eu subo até o céu
Sei que ali também te encontro
Se no abismo está minh'alma
Sei que aí também me amas

Senhor eu sei que tu me sondas (4 vezes) Refrão
Senhor eu sei que tu me amas (4 vezes) Refrão

No meio da música da-se um pausa e o catequista pede para cada catequizando ler sua redação, e a medita que cada catequizando vai lendo toca-se mais um pedaço da musica. Ao final que todos lerem todos cantam a musica juntos.

Iluminar – O Catequista faz uma lembrançinha como se fosse um marcador de páginas, com o Salmo 139 (pode ser resumido) e entrega a cada catequizando :



SALMO 139
Senhor, tu me sondas.
E me conheces
Sabes quando assento e me levanto
Esquadrinhas meu andar
E o meu deitar
Conheces todos os meus caminhos
Ainda a palavra não me
Chegou à boca não
E tu já conheces Senhor
Tu me cercas por trás e por diante
E sobre mim põe tuas mãos
Sonda-me óh Deus
Conhece o meu coração
Prova-me os pensamentos
Vê se há em mim algum
Caminho mal
E guia-me pelo caminho
eterno



AGIR – O catequista deve passar aos catequizandos a tarefa de tratarem Deus como seu Melhor Amigo. Devem conversar sempre com Deus, diariamente, indo para a escola, passeando de bicicleta, no mercado, no Shopping, no futebol, no voleibol, na hora de dormir, em família, em todos os ambientes, conversar como se conversa com seu melhor amigo, pois Deus esta em todo o lugar e sempre ao seu lado, agir assim para estreitar sua relação com o Pai. A criança deve trazer escrito no próximo encontro como foi esta experiência, para compartilhar em grupo com as outras crianças.

EXTRAS – Antes de encerrar o encontro, fazer a brincadeira do anjo secreto. Todos colocam seu nome enrolado em um papel misturam, e um tira o outro.
Você vai ser o anjo secreto da pessoa que você tirar. Na sala é colocada uma caixa onde o anjo secreto vai colocar para seu amigo: uma mensagem bonita, um cartão feito à mão, uma oração para ser rezada, etccccccccc. É uma forma de termos sempre um rezando pelo outro (pode ser feito a cada encontro ou mensal).

ORAÇÃO FINAL - De pé de mãos dadas o catequista faz com que cada catequizando fale o que aprendeu no encontro de hoje. Reza-se o Creio em Deus Pai e o Pai nosso, Após catequista coloca um fundo musical alegre ou canta-se, para todos se cumprimentarem.

This entry was posted on 09:35 . You can leave a response and follow any responses to this entry through the Assinar: Postar comentários (Atom) .

0 comentários

Postar um comentário

Seja muito Bem-Vindo